Recomendações Internacionais

Alguns Reconhecimentos Internacionais.

* Abordagem psicoterápica baseada em evidências (Departamento de Saúde Americano (2011).
* Organização Mundial da Saúde: Recomendação para Tratamento de TEPT em Adultos e Crianças (2012)
* Departamento de Saúde Americano: Reconhecimento como Abordagem Psicoterapêutica Baseada em Evidências (2011)
* Departamento de Defesa Americana (2010)
* Sociedade Internacional de Estudos em Estresse Pós-Traumático (2009)
* Associação Psiquiátrica Americana (2004)

* Organizações na França, Grã-Bretanha, Holanda e Israel, entre outras.

Eficácia da Terapia EMDR, segundo pesquisas:

Texto escrito por Silvia Guz. Retirado do livro “EMDR: Breves Considerações: 2017”.

“Mesmo que a Terapia EMDR tenha se desenvolvido originalmente para tratar o transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) e traumas resultantes agudos ou crônicos, hoje temos estudos comprovando a eficácia em populações especiais e transtornos como: fobias (de Jongh et al., 2002); transtorno de pânico (Fernandez e Farreta, 2007); TAG (Gauvreau e Bouchard, 2008); depressão (Logan et al., 2015); transtorno de apego (Zaccagnino e Cussino, 2013); problemas de conduta e autoestima (Catalano et al., 2016); luto (Sprang, 2001; Solomon e Rando, 2007); transtorno corporal dismórfico (Brown et al., 1997); disfunção sexual (Wernik, 2015); pedofilia (Ricci et al., 2006); transtornos psicóticos (de Bont et al., 2015); dor crônica (Grant e Threlfo, 2002); enxaquecas (Marcus, 2008); dor de membro fantasma (de Roos et al., 2010; Schneider et al., 2008) e sintomas físicos sem explicação médica (van Rood e de Roos, 2009).

O trauma recente em crianças aponta o seguinte:

Jarero e Uribe (2011) – os resultados indicam melhoras sustentáveis depois de apenas uma sessão.

Zaghrout-Hodalin, Alissa e Dogson (2008) – estudaram crianças expostas a trauma na Palestina. Aquelas que foram tratadas demonstraram um aumento de resiliência em resposta à exposição subsequente a traumas em comparação àquelas que não receberam tratamento.

As preocupações com o futuro e com o desempenho também podem ser alvo de atuação da terapia EMDR: atletas, atores, jogadores de futebol, políticos e dirigentes e muitos outros enfrentam situações em que o seu desempenho é público, e lhes são exigidos altos níveis de aperfeiçoamento. Em todas as situações competitivas, os indivíduos estão vulneráveis a ataques e críticas de suas imagens e performances; além do fato de a competição trazer, em si, a possibilidade de derrota. Estes fatores traumáticos podem ser processados de forma adaptativa para preparar o indivíduo para novas disputas e fortalecer a estratégia de enfrentamento das críticas de forma geral.

A terapia EMDR pode ajudar a desbloquear áreas que são um obstáculo para um melhor desempenho, bem como fortalecer desempenhos apropriados.”